LOUCURA

Meu coração doía

Minha alma machucada sucumbiu à escuridão

Comigo minha mente fazia

Algo pior do que uma maldição

 

Minhas cicatrizes ardiam

Minha mente as vozes consumiam

A loucura me invadia

E meu lado escuro florescia

 

Um sorriso sádico em minha face

Uma faca, caso a vingança chamasse

Lápis e papel na bolsa estão

Para a carta ao que despedaçou meu coração

(Karyn Allyson – 801)

ELA PELO MUNDO E EU POR ELA

Eu quero te agradecer

Por lutar para que eu seja o que quiser ser

Por falar tudo que eu não tenho coragem

Essa é minha homenagem

 

Ei, mulher

Obrigada por ser o que você quer

Engenheira, política, jogadora

Enfermeira, dentista, promotora

 

Moça do cabelo castanho

Eu sei que parece estranho

Eu nem te conheço direito

E já te carrego no peito

 

E tenha em mente que não é culpa sua

Assim como você, eu sou mulher

E posso fazer o que quiser

Mesmo que não seja o que o resto do mundo quer

(Andressa Araújo Valente dos Reis – 902)

CRESCENDO MULHER

 

Criada para ser ninguém

Em minha vida todos intervêm

Calada, sem direito à fala

Preciso sempre ser bela e recatada

 

Reproduzir é minha única função

Casar e ter filhos, a minha vocação

Ser frágil, pequena e sensível

Lutar? Nem pensar

Eu sou invisível

 

E a sociedade joga regras sobre mim

Mas então eu digo a verdade por fim

Sou livre e faço o que bem entendo

Não sigo regras desnecessárias,

Não as compreendo

Nascida para sofrer

Eu, mulher, resolvi florescer

(Mariana Olimpio de Abreu – 801)

NUVEM DE POESIA

Ela acordava todo dia

E tudo que via

Tinha gosto de poesia

Dor, alegria, paixão

 

E ainda tinha tempo

Para transformar o sentimento

Em palavras

Em música para alma

 

E o melhor de tudo era saber

Que alguém no mundo iria ler

E sentir

O que ela sente

Ou sentir diferente

Tanto faz

 

Ela acordava todo dia

E tudo que queria

Era papel, borracha, lápis e paixão

Para que pudesse escrever

A nuvem de sentimentos

Que era seu coração

 

(Rebecca Souza e Silva C. Fernandes – 902)

 

VAI ALÉM DAS PALAVRAS

 

 

Feminina

Há algo que me defina?

Delicada, comportada

Rosa, purpurina

Do lar, recatada

Que nada!

 

Trabalho pra caraca

Tripla jornada

Sangro todo mês

E quem reclama são vocês?!

 

Forte por natureza

Incrível, com certeza

Aguento preconceito

Carrego o mundo inteiro

Choro de verdade

Amo com vontade

Liberdade!

 

Sorrindo, chorando

Continuo lutando

Para o mundo mostrando

O meu poder

De ser

Mulher

(Luiz Felipe Guimarães Flores – 901)